Acerca de mim

Um pouco sobre mim

Nascido na Freguesia da Foz do Douro, Porto, berço da minha infância e juventude, mudei-me mais tarde para o "coração" da vizinha freguesia de Nevogilde, onde vivi alguns anos, freguesia que em tempos idos foi parte do concelho de Bouças (actualmente Matosinhos), considerada também como Foz, particularmente a sua frente marítima, destacada pelas avenidas do Brasil e de Montevideu, Após a reforma administrativa do Porto, S. Miguel de Nevogilde passou a fazer parte integrante da cidade e uma das suas quinze freguesias. Refiro o local onde vivi como "coração" da freguesia de Nevogilde, pelo destaque que o Largo (com o mesmo nome) merece, por ser o ponto principal de Nevogilde, largo que, tal como referiu em tempos o historiador Germano Silva, num artigo publicado no Jornal de Notícias: “é um dos raros recantos do Porto onde o urbanismo moderno não matou definitivamente o ambiente de ruralidade que por ali se respira”. Há mais de 30 anos fixei-me em Matosinhos, onde actualmente resido, próximo ao mar, mar esse que me viu nascer e sem o qual já não me habituava a viver. Gosto do seu barulho, do seu silêncio e do seu cheiro. Gosto de o sentir por perto e de caminhar junto a ele. Ele faz parte da minha vida.

domingo, 21 de julho de 2013

O Casino da Foz e o Orfeão da Foz

De muito novo, pelo menos do tempo em que frequentava a escola primária, ao passar pela rua das Motas, um dos caminhos que usava entre a minha casa, na rua do Padre Luís Cabral e a escola, no Passeio Alegre, achava interessante na soleira em mármore da porta do número 9, ter gravadas as palavras "Casino da Foz". Diziam-me que ali havia funcionado outrora um casino. Estava (e está) nesse prédio sediado o Orfeão da Foz do Douro, uma das Associações mais antigas desta freguesia.

Mais tarde, lendo várias publicações que referiam as instituições e estabelecimentos na Foz do Douro em tempos idos, nunca encontrei qualquer referência à existência de um casino na rua das Motas, mas sim ao Casino Internacional da Foz, instalado na rua do Passeio Alegre, 200 e ao Casino Restaurante de Cadouços, sito ao largo de Cadouços 3 (actual largo Capitão Pinheiro Torres de Meireles).

O Casino Internacional da Foz  existiu no local onde está em construção o prédio que se vê nesta foto à direita

Quando assumi a direcção do Orfeão da Foz do Douro, em 1993, tomei conhecimento de que a soleira da porta do número 9 (o edifício do Orfeão tem duas entradas: 9 e 19), desde os anos oitenta que havia desaparecido. A cave, cujo acesso principal se fazia por aquela entrada, havia sido alugada, para ali funcionar uma discoteca que inicialmente tomou o nome "Nem Que Chova". Como a porta da entrada teve que ser recuada para a instalação de meios de abertura no sentido dentro para fora (obrigatória por lei) a soleira foi substituída. Por falta de sensibilidade dos envolvidos na obra para a preservação de marcas do passado, a soleira não foi acautelada e, muito provavelmente, terá ido parar ao lixo. Encontrei também, nos arrumos da sede, umas cadeiras em madeira, já muito degradadas, com tampo e costas em couro, nas quais estavam gravadas as iniciais CF. Disseram-me que teriam sido também do casino.

O Orfeão da Foz do Douro, fundado em janeiro de 1916, teve várias sedes antes de se instalar no actual edifício, que é próprio. Teve a sua primeira sede na rua Central (actual rua do Padre Luís Cabral) número 868. Terá ocupado também instalações no Café Central, que existiu na rua Senhora da Luz, do qual não se sabe o número. Teve depois sede na rua das Motas, número 6. Posteriormente na rua de Cadouços, número 79, na rua Bela, número 3 e na rua do Passeio Alegre, número 928. Regressou à rua das Motas, desta vez ao número 9, de onde nunca mais saiu. Não tenho elementos quanto às datas destas mudanças. Porém, em diversos documentos, referentes a várias actividades ao longo dos tempos, são referenciadas os locais onde estava instalado. A sede actual só a partir de 1938 é que aparece citada. As descritas atrás como primeiras, terão sido ocupadas pouco tempo, na medida em que o Orfeão da Foz do Douro anunciava actividades, passados três anos da sua fundação (1919) na rua das Motas, número 6.

A 19 de Abril de 1931, num extenso artigo de primeira página no jornal “O Piparote”, semanário de Matosinhos – Leça, da autoria de Hugo Rocha, referido como jornalista e poeta e grande amigo do Orfeão, foi publicada, entre outras, uma foto da sede. Estranhamente não é citado o local desse edifício. Presume-se que se trata do prédio que existiu na rua do Passeio Alegre, na esquina com a rua das Motas e que na altura pertenceria ao colégio Brotero. Mas não há certeza, até porque o edifício que se vê naquele local, em postais antigos, é diferente quanto ao piso superior. Terá sido objecto de alterações? 

Imagem reproduzida do original que possuo do jornal "O Piparote", de 19/04/1931.

É de salientar que o Orfeão da Foz do Douro teve o seu período áureo no início dos anos trinta do séc. passado. Prova disso, a Ordem de Benemerência que lhe foi atribuída pelo presidente da República de então, Marechal Carmona, em 1934. 

Grupo Coral do Orfeão da Foz do Douro. Esta foto, que há muitos anos me foi oferecida por um dos fotografados, quando era muito jovem, talvez não tenha sido tirada na actual sede, mas na anterior (rua do Passeio Alegre, 928). Desconheço a data mas julga-se que será do início dos anos trinta do séc. XX.

Há ainda alguns aspectos que importa referir, sobre o edifício actual da sua sede. Tudo leva a crer que a parte do prédio que tem a porta de entrada com o número 19, que engloba o átrio de entrada, corredor de acesso ao salão, casas de banho e palco, bem como a escadaria de acesso ao primeiro andar, não fazia parte do edifício construído de raiz, mas replicada do mesmo em obra realizada mais tarde. Repare-se nas diferenças na cantaria, nos ferros da varanda e na altura.
 
O salão era anteriormente dotado de dois arcos de cantaria, que estavam escondidos pelo reboco das paredes, descobertos aquando das profundas obras ali levadas a cabo nos anos noventa. Por sugestão do técnico da obra ficaram à vista como elementos decorativos e históricos.

O local onde existe actualmente o palco do salão foi outrora um logradouro eliminado para dotar o salão daquele importante espaço para actividades. Há fotografias onde se pode verificar que existia uma parede, onde está a boca do palco, salvo o erro, com duas janelas. Ainda que esta alteração seja de um passado recente.

Por último, na última sala do primeiro andar, na parede exterior sul do edifício, há uma porta que não tem qualquer função como tal porque a parte exterior foi tapada. Leva a supor que teria tido, pelo menos, uma de duas funções: Ou a comunicação com uma parte do edifício, que em tempos terá sido demolida, ou a comunicação com outro prédio contíguo que há muito não existe.

Há tempos encontrei uma notícia relacionada com um incêndio ocorrido a 12 de julho de 1911, que destruiu o prédio onde funcionava o Casino Internacional da Foz, ou Casino da Foz, como também era designado, na rua do Passeio Alegre, número 200 (propriedade da Empresa do Casino Internacional da Foz, Limitada). Ora, o mais provável  terá sido a mudança da actividade do casino, na altura, para a rua das Motas, número 9.

Estará assim desvendada a incógnita quanto à soleira da porta aludida no início deste texto.
Certamente o Orfeão da Foz do Douro instalou-se naquele edifício após o encerramento do casino. Razão pela qual ali ficaram, a soleira na porta e alguns pertences, como as cadeiras.

Quando, há uns tempos atrás, encontrei imagens das fichas que eram utilizadas nos jogos do Casino da Foz, no site do fórum de numismatas, reparei que as suas iniciais CF, têm o mesmo grafismo das iniciais CF gravadas nas cadeiras a que aludi. 

Fichas de jogo do Casino da Foz, ou Casino Internacional da Foz. Imagens colhidas no site do Fórum de Numismatas.

Não haverá muitas dúvidas que se trata do mesmo casino que passou, pelo menos, por dois locais da Foz do Douro. Mas nunca há certezas quando não temos documentação que claramente o confirme.

Prédio da rua das Motas, número 9/19, sede, própria, do Orfeão da Foz do Douro. Imagem colhida em 06/07/2003.


Agostinho Barbosa Pereira – julho de 2013.





1 comentário:

  1. Tenho fichas do Casino Internacional Foz do Douro e CF (Club da Foz) Foz do Douro.
    Gostaria de saber mais sobre estas duas casas de jogo. Em 12 de Julho de 1911 um incêndio destruiu quase totalmente o edifício onde funcionava o Casino da Foz do Douro (O Tripeiro 1961 VI Série ano I nº 7).

    ResponderEliminar

Imagens de Matosinhos à Foz do Douro

Seguidores